Peeling químico uniformiza e dá brilho à pele

Irregularidades na textura e coloração da pele podem surgir por diversos motivos, tais como exposição ao sol, acne e envelhecimento. Com o tempo, esses efeitos podem gerar incômodo e abalar a autoestima. Uma solução eficaz e minimamente invasiva para o problema é o peeling químico, que atenua rugas, manchas e cicatrizes de acne.
O termo inglês “peeling” significa descamação, e é exatamente isso que o procedimento promove: uma descamação de camadas superficiais e danificadas da pele, seguida pela regeneração cutânea. O resultado: textura e coloração mais uniformes, e um brilho saudável na pele.

Existem vários tipos de peelings, com indicações específicas, que devem ser orientadas pelo dermatologista. Hoje já é possível optar por peelings a laser, que promovem renovação celular, ou mecânicos, que usam instrumentos abrasivos como agulhas e cristais. Ainda assim, o peeling químico é indicado para muitos casos.

No peeling químico, é feita uma criteriosa aplicação de ácidos sobre a pele. A escolha dos ácidos, o número de sessões, a duração do tratamento e o tempo de recuperação dependem da profundidade que se pretende atingir na pele. Para casos leves de rugas, ressecamento, pigmentação irregular e acne, é indicado o peeling químico superficial com ácidos como o glicólico, láctico, salicílico, a solução de Jessner e o peeling de resorcina. Já para tratar cicatrizes da acne e rugas mais profundas, o ácido tricloroacético costuma ser o mais indicado, às vezes em combinação com o ácido glicólico e com a solução de Jessner. Por fim, o peeling químico profundo, em que há a aplicação de fenol, é indicado para casos mais severos de rugas, cicatrizes e manchas ou para lesões pré-cancerígenas; a aplicação gera mais desconforto e é mais demorada, o que requer anestesia local e, em alguns casos, sedação, e a recuperação é mais lenta. Em todos os casos, costuma haver vermelhidão e descamação da pele no período de recuperação.

Peeling químico uniformiza e dá brilho à pele

Embora seja minimamente invasivo, o peeling químico traz alguns riscos e incertezas. Assim, é importante tomar alguns cuidados:
√ Faça o procedimento apenas com um médico dermatologista.
√ O risco de alterações na pigmentação da pele é maior em gestantes, em mulheres que tomam anticoncepcional e em pessoas com histórico familiar de descoloração da pele. Converse com o médico sobre isso na consulta de avaliação.
√ Embora o risco seja pequeno, o peeling químico também pode reativar herpes labial. Se você já teve esse tipo de herpes, informe o médico, pois é possível prevenir a reativação.
√ O dermatologista indicará os cuidados a serem tomados após cada sessão de peeling químico (por exemplo, a maneira certa de hidratar a pele e a importância da proteção solar). Siga à risca essas indicações para evitar o risco de cicatrizes, manchas e até mesmo infecção.
√ Como o tratamento remove uma camada de pele, é extremamente importante se proteger dos raios solares. Por isso, a época mais indicada para realizar as aplicações é o inverno.

Na clínica Dermacenter, o peeling químico é realizado por médicos dermatologistas qualificados, com todos os cuidados para minimizar os riscos e garantir o resultado desejado. Agende uma consulta para saber mais.

Fale Agora!
Como posso te ajudar?
Powered by