Melasma é uma doença da pigmentação

O melasma é uma doença da pigmentação da pele, crônica, que não tem uma cura definitiva, mas que a gente consegue controlar bem, na maioria dos casos, com diversos tratamentos.

Ele é super estudado hoje em dia e até surgiram algumas novidades dos últimos congressos, inclusive internacionais, em termos de tratamentos para essa doença.

Causas do melasma

O melasma tem alguns fatores causais. Um deles é a genética.

Existem alguns genes já mapeados – e não são poucos, são muitos genes – que estão relacionados com essa doença.

Além disso, é uma doença que piora com todos os tipos de luz, não só a luz ultravioleta, como a gente achava.

Então a luz visível, das lâmpadas, do computador, do celular, todo tipo de luz e até mesmo com o calor. Os raios infravermelhos também pioram o melasma.

Tem ainda fatores hormonais, principalmente os hormônios femininos, que fazem o melasma aparecer durante o período da gestação ou com o uso de anticoncepcionais, porque eles também têm relação com os hormônios.

Dentre todas essas causas o que a gente pode controlar são os dois fatores ambientais, ou seja, a exposição à luz e também os fatores hormonais.

O fator genético, infelizmente, a gente ainda não tem como controlar.

Tratamentos para o melasma

Ao contrário do que muitas pessoas pensam, o laser não é o mais indicado para começar o tratamento do melasma.

Os lasers não são o tratamento mais eficiente, nem definitivos.

O tratamento de escolha, o primeiro que deve ser feito, é o tratamento clínico com fórmulas, com combinações de medicações que aliam despigmentantes com anti-inflamatórios e antioxidantes.

Proteção solar

Além disso, o uso do protetor solar com cor, aquele protetor com base, cor da pele.

E ele tem que ser usado de maneira a cobrir completamente as manchas, a ponto da gente não enxergar nada por baixo do produto.

Desta forma ele não deixa a luz passar e, assim, o melasma não piora por causa da luz.

Só o uso do protetor solar já é a principal contribuição para o tratamento do melasma, ele é fundamental e deve ocorrer independente de o dia estar nublado ou chuvoso.

Isso porque como não é só a luz ultravioleta que piora o melasma e sim todas as luzes, principalmente a luz azul, que é um componente importante das lâmpadas.

O protetor deve ser usado sempre que tiver luz, sempre que a pessoa estiver em um ambiente iluminado.

Produtos novos

Além do tratamento clínico com protetor, cremes e fórmulas, a gente pode usar outros tratamentos que são relativamente recentes.

São produtos novos, que podem ser usados na pele, como, por exemplo, o thiamidol e a cisteamina.

Esses produtos podem ser usados como cremes ou, principalmente, como uma aplicação rápida de meia hora, de uma hora por dia e depois lavar e retirar o produto como se fosse um peeling, mas com uma aplicação mais rápida.

Microagulhamento

O microagulhamento também pode ser indicado no tratamento do melasma. É um rolinho de micro agulhas que vão fazer orifícios na pele.

Só esses orifícios já melhoram o melasma, mas a gente aplica substâncias que podem penetrar melhor na pele através desses orifícios e que vão clarear as manchas.

O ácido tranexâmico é um produto que pode ser usado no microagulhamento, na forma de creme, através da injeção em micropontos na pele ou mesmo por via oral.

Ele dá um bom resultado, mas deve necessariamente ser acompanhado por um médico dermatologista, não deve ser usado pelo paciente sozinho, porque pode causar sérios problemas, principalmente de coagulação.

Então esses são os tratamentos mais novos e que podem ajudar bastante as pessoas com melasma, mas sempre devem ser prescritos pelo dermatologista.

Nunca compre um medicamento sem orientação médica. Se você tiver alguma dúvida sobre melasma ou quiser tratar a sua pele, marque um horário e vamos conversar!

Fale Agora!
Como posso te ajudar?
Powered by