Vermelhidão e sensação de calor no rosto, surgimento de vasinhos e lesões na pele facial, espessamento irregular da pele principalmente do nariz e das bochechas, e alterações oculares. Estes são alguns dos sintomas que podem acometer gradativamente pessoas que têm rosácea, uma doença vascular inflamatória crônica que afeta entre 1,5% e 10% da população. Embora ainda não exista cura para a rosácea, a Dermatologia oferece tratamentos que a mantêm sob controle, combatendo a inflamação e evitando o agravamento da doença.

 

Os sintomas iniciais da rosácea podem passar despercebidos pelo paciente: rubor abrupto e momentâneo no rosto, ressecamento da pele facial e sensibilidade a cosméticos. Depois começam a surgir vasinhos dilatados (telangiectasias) e a vermelhidão (eritema) tende a se tornar permanente. O estágio seguinte é o aparecimento de lesões, muitas vezes confundidas com a acne (que é inflamação das glândulas sebáceas, e não dos vasos, como acontece na rosácea).

 

Embora seja mais comum em mulheres, também ocorre em homens. A rinofima (aumento do nariz provocado pelo espessamento da pele e dilatação dos folículos) é uma evolução da rosácea que costuma atingir mais os homens. Por fim, existe também a rosácea ocular, que pode ser um agravamento da doença na face ou surgir independentemente.

 

Sabe-se que há uma predisposição genética para a rosácea, que é mais frequente na população de origem europeia. Alterações emocionais e hormonais, mudanças bruscas de temperatura, exposição solar, consumo de bebidas alcoólicas, medicamentos vasodilatadores ou fotossensibilizantes, bem como a ingestão de alimentos muito quentes ou condimentados, são fatores que podem desencadear surtos da doença.

 

Aos primeiros sintomas, é essencial consultar o médico dermatologista. Como não existem exames laboratoriais para confirmar a doença, o diagnóstico é clínico – embora, eventualmente, exames possam ser solicitados para descartar outras doenças. Confirmada a rosácea, o dermatologista traçará o plano de tratamento ideal para cada caso.

 

O tratamento da rosácea pode ser tópico, com o uso desde sabonete específico até cremes e pomadas antimicrobianos, ou sistêmico, com prescrição de medicamentos orais. Para os vasinhos e a rinofima, a aplicação de laser ou de luz intensa pulsada é bastante eficaz. No caso de espessamento avançado do nariz, o tratamento pode envolver radiofrequência, dermoabrasão ou cirurgia.

 

Em qualquer estágio da doença, em surto ou não, é fundamental utilizar filtro solar regularmente, pois a radiação solar pode desencadear ou agravar a doença. Evitar produtos químicos e cosméticos ácidos, abrasivos, adstringentes e com álcool na composição também é importante, bem como não consumir alimentos muito quentes ou condimentados e bebidas alcoólicas. O controle do estresse e da ansiedade também é indicado nos pacientes com rosácea.